YouTube ficará mais rápido para iniciar o carregamento dos vídeos

image_pdfimage_print

O popular site YouTube tem fama de “lerdo” para reproduzir os vídeos, especialmente no início. Sendo um site focado em vídeos extremamente popular, quanto mais rápido o vídeo começar a tocar, melhor. Vários milissegundos são perdidos ao entrar na página de um vídeo até que a reprodução seja iniciada. Dependendo da conexão isso pode tomar vários segundos inteiros.

Boa parte da complexidade técnica das páginas atuais está sendo removida para tornar a experiência mais agradável, mais direta. O pessoal do Gizmodo US visitou os escritórios do YouTube e trouxe um resumo do que virá por aí em breve (há tradução/adaptação no Gizmodo BR).

As páginas do YouTube tradicionalmente carregam uma série de elementos, sendo os principais deles os scripts Javascript, arquivos de estilos CSS e o player (que pode ser em Flash ou HTML, dependendo do caso). Esses elementos passarão a ser carregados simultaneamente, de forma paralela, eliminando boa parte da espera entre o ato de entrar na página ou clicar num link e o início do download do vídeo.

Além do carregamento destes elementos em paralelo, uma outra mudança surgirá em breve: o player ficará carregado, pronto para a reprodução de algum outro vídeo assim que o usuário clicar. Hoje tudo é carregado novamente, em cada página. Quem vê mais de um vídeo numa mesma sessão do navegador deverá perceber os aprimoramentos na velocidade em breve.

Outra coisa interessante é o pré-carregamento: os downloads dos vídeos sugeridos/relacionados serão iniciados automaticamente, já prevendo que o usuário provavelmente veria algum deles. Ao clicar, a reprodução seria praticamente instantânea.

Em testes na rede do Google alguns vídeos que levavam pouco mais de um segudo para começarem a ser reproduzidos passaram a levar menos de meio no novo modelo. As velocidades das redes domésticas não são as mesmas das redes internas do Google, é claro, mas as melhorias serão perceptíveis para todos.

O pré-carregamento não baixa o arquivo “inteiro”, como muitos imaginariam num primeiro momento. Os vídeos são “fatiados” em trechos curtos, e apenas as primeiras partes seriam carregadas – o restante só seria carregado durante a reprodução, caso o usuário realmente a tenha iniciado.

Isso também permite otimizar a experiência de reprodução de acordo com a velocidade da conexão: um vídeo pode começar a ser reproduzido em 480p, por exemplo, e ter as “fatias” seguintes baixadas em 720p ou 1080p, sem aquelas “travadinhas” que ocorrem nas trocas manuais.

Nos desktops essas mudanças devem ser implementadas ainda nesta semana, pelo que falaram. No Android a opção de pré-carregamento já existe para os vídeos das inscrições e da lista “Assistir mais tarde”. Este recurso deverá chegar “em breve” ao iOS. Diferente do pré-carregamento anunciado para os desktops, no Android a opção baixa os vídeos para que sejam reproduzidos imediatamente quando necessário, sem espera para o download dos vídeos completos. Infelizmente o YouTube não libera o download “tradicional”: ainda será necessário estar conectado para validar a reprodução (o site pode checar se o vídeo ainda está disponível para a conta e local selecionado, por exemplo). Isso exige uma conexão à internet no momento da reprodução, inviabilizando a reprodução totalmente offline.

Fonte: HARDWARE.COM.BR