Trabalho escravo ainda atinge 155,3 mil pessoas no Brasil

image_pdfimage_print

trabalho_escravo

Mais de 155 mil brasileiros ainda trabalham em condições de trabalho escravo. A estimativa é da organização de Direitos Humanos Walk Free Foundation, que elaborou um ranking dos países com o maior número de pessoas escravizadas. O Brasil ficou em 143º lugar entre 167 países analisados.

Segundo a ONG, em 2013, o setor com o maior número de trabalhadores em situação de escravidão no Brasil foi o da construção civil. O trabalho forçado também foi predominante na agricultura, onde principalmente os homens estão presos na servidão por conta de dívidas.

Outras atividades que, segundo a ONG, usam trabalho escravo são: pecuária e frigoríficos, produção de castanha do Pará, extração de minerais como ouro, cobre e estanho, e confecção de vestuário.

Copa do Mundo

Em 2013, pela primeira vez o número de trabalhadores resgatados de trabalho forçado na construção civil (38%) foi maior que aqueles tirados da exploração em atividades agrícolas. Segundo a ONG, este crescimento pode estar relacionado às obras para a Copa do Mundo 2014, que receberam diversas acusações de estarem utilizando trabalho escravo.

A Copa do Mundo fez aumentar também a exploração sexual, principalmente em cidades conhecidas pelo abuso de jovens e crianças vítimas do turismo sexual, como Fortaleza.

O trabalho infantil de forma geral também é um fator preocupante no país. Segundo o relatório,  258 mil crianças entre 10 e 17 anos ainda trabalham em serviços domésticos em regiões urbanas ricas.

Imigrantes

O relatório aponta como uma das causas da escravidão as oportunidades limitadas e as dificuldades financeiras de trabalhadores migrantes não qualificados – o que acabaria os levando a procurar e aceitar emprego em indústrias de alto risco.

Os imigrantes, especialmente os vindos de vizinhos sul-americanos, também são mais vulneráveis. A indústria têxtil, por exemplo, é conhecida por ter um elevado número de peruanos e bolivianos trabalhando em condições análogas à escravidão.

Segundo o relatório, mais da metade dos 100 mil bolivianos que hoje vivem no Brasil entraram de forma ilegal no país – fato que os tornaria mais vulneráveis a ameaças de deportação caso não aceitem situações precárias de trabalho ou mesmo uma coservidão por dívida.

A boa notícia é que o Brasil tem feito progressos no combate à escravidão, principalmente através de políticas de transparência na cadeia de produção. A ONG destaca que até o ano passado, 380 empresas já teriam assinado o Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo. Juntas, elas representam 30% do PIB do país.

Para chegar aos resultados, a Walk Free Foundation levou em conta um levantamento feito pela empresa de pesquisas Gallup em sete países – entre eles, o Brasil -, além de outros estudos e fontes secundárias, como dados governamentais e reportagens.

Fonte: EXAME