Produzir no Brasil é 23% mais caro do que nos EUA, de acordo com estudo

image_pdfimage_print

A capacidade de competição da indústria brasileira sofreu uma reviravolta negativa na última década. Hoje, o custo de produzir no Brasil é 23% maior do que nos Estados Unidos. Em 2004, era 3% inferior. A conclusão é de um estudo recém-divulgado pela consultoria The Boston Consulting Group (BCG).

A pesquisa comparou os custos de produção dos 25 principais países exportadores do mundo. Além dos Estados Unidos, o custo de produção no Brasil ultrapassa, significativamente, o de outros países emergentes como China, Índia, México e Rússia.

A consultoria analisou os custos de produção dos 25 países levando em conta quatro fatores: salários na indústria, produtividade do trabalho, custo de energia e taxa de câmbio.

Segundo o BCG, o Brasil perdeu competitividade em todos os quesitos analisados. Com isso, o custo de produção da indústria no país aumentou 26% em relação ao dos EUA entre 2004 e 2014.

Salários mais elevados combinados com um crescimento muito fraco da produtividade explicam três quartos desse aumento. O BCG ressalta que os salários pagos na indústria mais do que dobraram ao longo da última década.

BAIXA EFICIÊNCIA

O problema, segundo a consultoria, é que essa tendência não foi acompanhada por um aumento significativo da produtividade dos trabalhadores brasileiros. Um forte ganho de eficiência teria permitido às empresas conseguir um aumento de sua capacidade de produção suficiente para cobrir os maiores custos trabalhistas. Mas a produtividade cresceu apenas 1% ao ano no período analisado.

O lento aumento da eficiência é explicado por fatores como baixa oferta de mão de obra qualificada, falta de investimento, infraestrutura inadequada e burocracia excessiva.

A consultoria afirma ainda que o forte aumento do preço da eletricidade para a indústria –que dobrou na última década– e o maior custo do gás natural também contribuíram para erodir a capacidade de competição do setor no país.

SOB PRESSÃO

De acordo com a tendência do custo de produção ao longo da última década, o BCG classificou os países em quatro grupos. Os que se encontram em situação mais crítica foram chamados de “sob pressão”. É nesse grupo que o Brasil foi incluído. As demais nações classificadas assim foram China, Rússia, República Tcheca e Polônia.

Entre os cinco, o Brasil foi o que teve o maior aumento de custo de produção, segundo o BCG. No outro extremo, entre as chamadas “estrelas emergentes globais”, estão México e Estados Unidos. A competitividade dos dois países foi impulsionada por fatores como baixo aumento dos salários e ganhos de produtividade.

O relatório ressalta que o mundo deixou de ser dividido em continentes competitivos versus caros. Atualmente, há casos de países muito competitivos e outros nem tanto em todos os continentes. Segundo o BCG, isso deve guiar as decisões de investimento no futuro. A consultoria prevê que a produção industrial deve se tornar cada vez mais regionalizada, centrada nos países mais competitivos de cada uma das regiões.

Fonte: FOLHA