Phoneblocks: Uma ideia genial, mas difícil de sair do papel

image_pdfimage_print

O Phoneblocks é uma ideia brilhante. Tão brilhante que muitas companhias podem não gostar dela. Consiste em transformar smartphones em algo mais durável. Um protótipo que transforma esses dispositivos em algo personalizável e que possivelmente pode durar anos e mais anos.

Phoneblocks: Uma ideia genial, mas difícil de sair do papel

Phoneblocks, o futuro dos smartphones?

A ideia é fazer com que o telefone seja dividido em blocos. Um bloco para a rede wifi, outro para a câmera, alto-falantes, e por aí vai. Como todos esses blocos são ligados por pontos de uma rede elétrica, eles podem ser substituídos a qualquer momento. E aí, esse tal de Phoneblocks poderia finalmente oferecer aos usuários tudo o que eles querem: montar um aparelho de acordo com o seu gosto pessoal. E melhor ainda: um aparelho que, caso apresente erros e problemas em um bloco, basta substituí-lo por outro, ao invés de jogar o smartphone no lixo.

O vídeo mostra de uma forma mais clara este conceito. No caso, dizendo ao usuário que ele pode selecionar as peças do dispositivo de acordo com as suas marcas e empresas favoritas, além de criar seus próprios blocos.

Phoneblocks: Uma ideia genial, mas difícil de sair do papel

Os organizadores do Phoneblocks pedem que as pessoas compartilhem a palavra e a espalhem pelo mundo. Segundo eles, quando mais pessoas interessadas na ideia, mais chances de isso se tornar realidade.

Mas o mercado aparentemente não acredita que essa ideia seja tão interessante assim. Afinal, este modelo pode representar uma ameaça às vendas de grandes corporações. Lançar modelos de smartphones menos duráveis e que se tornam ultrapassados a cada ano é uma estratégia lapidada no mercado atual. E um modelo desses provavelmente representaria menos lucro para as corporações.

De qualquer forma, não deixa de ser uma boa ideia e algo que nos faz pensar como os dispositivos eletrônicos poderiam ser mais flexíveis e se adequar melhor às necessidades e gosto do consumidor.

Fonte: BABOO