Hidroanel Metropolitano pode ajudar a limpar São Paulo

image_pdfimage_print

Pesquisadores da USP estão propondo a construção de uma hidrovia dentro da Grande São Paulo.

O projeto, chamado Hidroanel Metropolitano de São Paulo, propõe uma rede de vias navegáveis composta pelos rios Tietê e Pinheiros, e pelas represas Billings e Taiaçupeba, além de um canal artificial ligando essas represas – resultando em um total de 170 quilômetros de hidrovias urbanas.

A navegação fluvial, embora esteja entre os sistemas de transporte mais baratos e limpos que existem, é pouco usada no Brasil.

Pensando num futuro em que o transporte rodoviário estará cada vez mais sobrecarregado em metrópoles como São Paulo, o grupo desenvolveu um projeto para a construção de um hidroanel na região.

O projeto prevê a conexão e o aproveitamento de rios e represas que circundam 14 cidades da Grande São Paulo, com a geração de 40 mil empregos diretos e 120 mil indiretos.

A conexão entre rios e represas, de acordo com o projeto, exigirá a construção de 20 eclusas (elevadores de embarcações).

“Já existe uma eclusa pronta no ‘Cebolão’ [Complexo Viário Heróis de 1932], na foz do Rio Pinheiros. E agora o Governador está para autorizar o início da obra de uma outra eclusa, na Penha”, comenta o professor Alexandre Delijaicov, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP.

Hidroanel Metropolitana pode ajudar a limpar São Paulo