Hackers chineses espionaram projetos de sistemas de armas dos EUA

image_pdfimage_print

Departamento de Defesa americano ainda não está preparado para se defender contra ataques cibernéticos sofisticados, disse um grupo consultivo

china-hacker

Os projetos para mais de duas dúzias de sistemas de armas avançadas dos EUA, incluindo defesa de mísseis, aviões de combate e navios, teriam sido acessados ​​por hackers chineses.

Os sistemas foram listados em uma seção anteriormente não revelada de um relatório preparado para o governo, a indústria de defesa e funcionários do Pentágono pelo Conselho de Defesa da Ciência (DSB) – um comitê de especialistas que assessora o Departamento de Defesa dos EUA em assuntos técnicos e científicos, disse o Washington Post na segunda-feira (27).

“O Departamento de Defesa e sua base empreiteira já sofreram perdas incríveis de informações sobre projetos de sistemas incorporando décadas de conhecimento e experiência de combate, que fornece aos adversários conhecimento para desenhos técnicos e de uso do sistema”, disse o grupo de consultoria em uma versão pública do relatório  (em pdf) divulgado em janeiro, que abrange o resultados de um estudo de 18 meses para a resiliência dos sistemas militares contra ameaças cibernéticas avançadas.

Entre os documentos dos projetos obtidos por hackers estavam os de sistemas de defesa antimísseis – incluindo o sistema de mísseis PAC-3 Patriot, o sistema Terminal High Altitude Area Defense (THAAD) e sistema de defesa de mísseis balísticos da Marinha os EUA, de acordo com o Washington Post, que obteve uma cópia do relatório anteriormente não divulgado.

Os projetos de sistemas relacionados com o caça F/A-18, o F-35, a aeronave Osprey V-22, o helicóptero Black Hawk e o Navio de Combate Litoral (LCS) também estão entre os listados no relatório de violação.

O DSB não indicou quando e onde as violações de dados ocorreram ou quem estava por trás delas. No entanto, de acordo com o Washington Post, militares e oficiais da indústria de defesa não identificados, familiarizados com o assunto, disseram que a maioria delas foi resultado de esforços de ciberespionagem chinesa contra empreiteiros da defesa.

No ano passado, funcionários do governo dos Estados Unidos falaram cada vez mais sobre a China ser a responsável por ataques cibernéticos, que resultaram no roubo de propriedade intelectual e outras informações confidenciais de empresas norte-americanas e agências governamentais.

Em um relatório divulgado este mês, o Departamento de Defesa disse que no ano passado “numerosos sistemas de computadores ao redor do mundo, incluindo os de propriedade do governo dos EUA, continuaram a ser alvo de invasões, algumas das quais parecem ser atribuídas diretamente ao governo e militares chineses.”

O governo chinês tem repetidamente negado seu envolvimento em ciberespionagem e classificou tais acusações como infundadas.

Na versão pública do seu relatório, o DSB descreveu a ameaça cibernética como grave e disse que, em alguns aspectos, as suas consequências são semelhantes às da ameaça nuclear da Guerra Fria.

As ações do Departamento de Defesa para combater esta ameaça são numerosas, mas fragmentadas, de modo que o Departamento ainda não está preparado para se defender contra ela, disse o DSB. “Levará anos para o Departamento construir uma resposta eficaz à ameaça cibernética para incluir elementos de dissuasão, garantia de missão e capacidades cibernéticas ofensivas.”

Fonte: IDGNOW