Google teria planos de encerrar integração forçada com o Google+

image_pdfimage_print

google+

Há duas semanas, Vic Gundotra, um dos “pais” do Google+, deixou o Google. As razões não foram explicadas, mas segundo o TechCrunch, isso pode ter a ver com um novo plano da empresa de reformular completamente a rede social e mudar sua estratégia em relação a ela.

Aparentemente, o plano é deixar de considerar o produto um “competidor” de Twitter e Facebook e deixar de forçá-lo em todos os produtos do Google, como aconteceu com o YouTube.

Com o “rebaixamento”, também vem o corte de recursos. Segundo a publicação, a empresa estaria se preparando para remanejar os cerca de 1 mil funcionários que trabalham diretamente no Google+ para outras áreas. A equipe do Hangouts iria para a área de Android, assim como os responsáveis pelo Google+ Fotos. Basicamente os funcionários seriam remanejados para o desenvolvimento da plataforma Android.

Há, no entanto, um porém curioso nesta possibilidade: ambas as divisões produzem serviços multiplataforma. Assim, funcionando dentro da divisão de Android, estaria uma equipe produzindo aplicativos para iOS e Web.

O Google nega oficialmente qualquer plano para mudar o funcionamento do Plus, no entanto, e diz “continuar a desenvolver grades experiências no Google+, Hangouts e Fotos”,em comunicado ao Ars Technica. O anúncio do desligamento de Gundotra também contou com uma frase do CEO Larry Page reforçando o compromisso com o Google+.

Mesmo que o Google desminta, faria sentido caso a ação fosse confirmada. O Google+ nunca pegou realmente com o usuário comum, que continua preferindo o Facebook. Nos últimos tempos, a principal marca alcançada pela rede social foi a mudança de sistema de comentários do YouTube, que passou a ter uma integração forçada com G+, que desagradou a muitos e causou protestos na internet. Até mesmo internamente a medida foi considerada exagerada, segundo o TechCrunch.

Além disso, também faria sentido o desligamento de Gundotra caso a reformulação realmente aconteça. Como um dos pais do Google+, ele pode não ter ficado satisfeito com a notícia e decidido sair da empresa.

Fonte: OLHAR DIGITAL