Debates que entraram para a história das eleições no Brasil

image_pdfimage_print

A Rede Globo transmite hoje a partir das 22:30 o último debate do 1o turno das eleições presidenciais. Depois de 4 debates realizados respectivamente na Band, SBT, TV Aparecida e Record, é a vez da maior emissora do país dar a última chance aos candidatos de debaterem as propostas e tentarem convencer o eleitor praticamente às vésperas do 1o turno das eleições

Os debates políticos são uma boa oportunidade que os eleitores têm para conhecer melhor as propostas dos candidatos sobre os mais diversos temas e também para testar o poder de argumentação e preparação de cada um. No entanto, muitas vezes as propostas ficam de lado e os candidatos optam por estratégias mais agressivas, partindo para acusações e agressões pessoais.

Nos últimos debates, principalmente para presidência da república, o tom tem sido um pouco menos agressivo, principalmente após a introdução de regras mais rígidas, amparados inclusive pela legislação eleitoral. Mas historicamente, desde a redemocratização do país, em diversas oportunidades o Brasil presenciou embates épicos.

A seguir, preparamos uma lista com alguns dos momentos mais emblemáticos dos debates políticos no Brasil. Confira:

Collor x Lula (1989)

Realizado poco antes do 2o turno das eleições de 1989, o debate entre Lula e Collor é provavelmente o mais polêmico da história. Não pelo debate em si, mas pela edição feita pela Rede Globo que claramente favoreceu Collor, que após a exibição do debate editado, disparou nas pesquisas de intenção de voto.

Covas X Maluf (1998)

Mário Covas era candidato à reeleição em 1998 e quase ficou de fora do 2o turno, ameaçado por Marta Suplicy. Assim que foi confirmada sua presenção no 2o turno, mudou o tom da campanha e logo no primeiro debate partiu para cim da Maluf pedindo ao eleitor que comparasse a história e o caráter de cada candidato. Resultado: Mário Covas reeleito com quase 10 milhões de votos, a maior quantidade alcançada por um governador de São Paulo.

Marta Suplicy X Maluf (2000)

Candidatos à Prefeitura de São Paulo em 2000, Paulo Maluf e Marta Suplicy bateram boca no debate da Bandeirantes. Com índice de rejeição beirando os 60%, o ex-prefeito partiu para cima da petista a chamando de desqualificada. Marta mandou então a célebre frase que muitos paulistanos murmuravam do outro lado da TV: “Cala a boca, Maluf”. O mundo deu voltas e, quatro anos mais tarde, os dois se uniram em campanha pela reeleição de Marta.

Montoro x Jânio (1982)

O debate de candidatos ao governo de São Paulo em 1982 é um dos exemplos de como a falta de regras dos primeiros confrontos deixava o clima muito mais espontâneo. Sem corte de som ou interrupção do mediador, Franco Montoro e Jânio Quadros bateram boca como se estivessem num bar. Para provocar Jânio, Montoro usou uma citação de Carlos Lacerda, desafeto do ex-presidente. A resposta de Jânio fez a plateia cair no riso: “O senhor acaba de querer citar as Escrituras valendo-se de Asmodeu ou de Satanás”. Essa discussão pode ser vista no primeiro minuto do vídeo acima.

Brizola x Maluf (1989)

Paulo Maluf merecia um prêmio por animar tantos debates. Na disputa presidencial de 1989, ele fez uma dupla com Leonel Brizola digna de programa de comédia. Sem papas na língua, Maluf disse que quem era desequilibrado não podia ser candidato a presidente. Começou assim uma troca de insultos. Brizola chamou o rival de “filhote da ditadura” e os malufistas aplaudiram aos berros quando Maluf dizia que o candidato era um desequilibrado que “passou 15 anos no estrangeiro e não aprendeu nada”.

Collor x Enéas (2000)

Por ordem dos sorteios, Collor tinha que fazer uma pergunta para Enéas Carneiro durante debate para a Prefeitura de São Paulo em 2000. O ex-presidente não fez pergunta, zombou do adversário dizendo para ele falar qualquer coisa que quisesse. Com segundos na propaganda eleitoral, Enéas deitou e rolou no seu um minuto e meio de “tema livre”.

Fonte: SUPERINTERESSANTE