Se linguagens de programação fossem veículos, veja qual seria o seu

image_pdfimage_print

C seria o Jeep Willys M38 do exército americano: compacto, poderoso, vai em qualquer lugar e é confiável em situações onde sua vida depende dele.

C++ é o novo C — duas vezes mais poderoso, o dobro do tamanho, funciona em ambientes hostis e se você tentar usá-lo sem muito cuidado e treinamento especial, você provavelmente vai causar um acidente.

C# é o C++ com mais características de segurança, de modo que cidadãos comuns consigam usar. Parece um pouco bobo, mas ele boa parte do poder do C++, desde, claro, que você sempre esteja perto de um posto de gasolina, uma oficina mecânica e de outros confortos da civilização.

Java é outra tentativa de melhorar o C. Ele meio que consegue fazer o trabalho, mas é sempre muito mais lento, mais pesado, despeja poluição para todo lado e as pessoas vão pensar que você é um caipira.

Python é ótimo para as tarefas do dia a dia: fácil de dirigir, versátil e vem com todos os acessórios e comodidades incluídos. Ele não é muito rápido ou sexy, mas esse não é mesmo o propósito dele.

Perl servia para o mesmo propósito de Python, mas agora somente alguns ex-hippies barbudos ainda o usam.

LISP é programação na sua essência. Essa linguagem existe desde sempre. Usá-la o torna mais forte, mas somente um atleta ou um maníaco consegue ganhar a vida com ela.

Haskell é como uma versão mais moderna de LISP.

PHP é aquela coisa perigosa e insegura que você só usa porque é a única coisa que você tem. Porém quando você comete algum pequeno erro, como por exemplo, passar sobre um quebra molas da maneira incorreta, ele põe fogo em você e em todos que estão dentro do carro.

Go é um brinquedinho novo que os nerds afirmam que será o futuro (tipo o carro elétrico), mas só é prático se você limitar tudo o que você quer fazer de modo que não ultrapasse as limitações dele.

COBOL provavelmente parecia uma boa ideia nessa época.

MATLAB é o que os cientistas usam para fazer coisas de… cientistas.

R é o que cientistas usam quanto eles não podem pagar pelo MATLAB.

OCaml é essa coisinha engraçada que os europeus gostam por alguma razão.

Esse é o Javascript. Se você colocar rodas grandes e uma listra de competição em um carrinho de golfe, ele ainda sim será uma porcaria de um carrinho de golfe.

Fonte: CRASHWORK