Mais da metade dos dados são cópias desnecessárias

image_pdfimage_print

E a culpa é dos sistemas de back-up…

dados_duplicados

Mais de 60% do que é armazenado nos data centers, na verdade, são cópias desnecessárias, de acordo com a Actifio. O presidente da empresa, Jim Sullivan, considera que isso pode estar relacionado com a popularidade dos “back-ups”. E reforçado por requisitos de continuidade do negócio, recuperação de desastres e replicação.

“Requisitos de negócios em relação à ‘compliance’, retenção e armazenamento de dados… Todas essas necessidades de manter cópias de dados criou silos de armazenamento pouco eficientes”, diz ele.

Sullivan atribui o crescimento do armazenamento ao longo das últimas décadas predominantemente às cópias dos mesmos dados, uma abordagem que “além de ineficiente, é cara e complexa”.

“O que as pessoas fazem é comprar sistemas de armazenamento e implantar vários softwares diferentes e, muitos diferentes silos ligados fisicamente a esses sistemas de armazenamento, e não há muita liberdade ou agilidade nisso”, considera.

Em tempos de Big Data vale a pena criar políticas para destruição de dados. Muitos dados estão desatualizados e nunca serão acessados. Eles acabam acumulando e dificilmente podem ser acessados de forma sistêmica. Para melhorar a gestão das informações, o melhor que se pode a fazer é livrar-se dos excessos, criando políticas efetivas de descarte de dados.

Separar as informações que podem ser descartadas daquelas que devem ser mantidas pode parecer impossível, mas não é. A iniciativa requer total integração do gestor de TI com o líder do departamento jurídico, bem como das demais áreas de negócio. Só assim é possível identificar os dados que não trazem valor à companhia e, nem tampouco, estão ligados às normas regulatórias de cada setor.

Fonte: CIO