Afinal, quem é esse tal de “Bitcoin”?

image_pdfimage_print

Nas últimas semanas muito se ouviu falar sobre uma tal moeda virtual que teve uma valorização absurda em um curto período de tempo. A maioria das pessoas mal sabia do que se tratava até pouco tempo (e muitos até agora ainda não sabem), mas o nome da tal moeda já começa a ganhar uma certa popularidade, principalmente na internet. Estamos falando do bitcoin.

Afinal, o que é esse tal de bitcoin?

De forma bem simplificada, podemos definir o bitcoin como uma moeda virtual que funciona de forma descentralizada, ao contrário das moedas tradicionais (dólar, euro, real, etc) que são emitidas e controladas por um agente central (no caso, um banco central). Na visão do usuário, o bitcoin é um meio de pagamento e de transferência de recursos que funciona através da internet.

Um pouco mais tecnicamente, podemos definir o bitcoin como uma criptomoeda descentralizada e também um sistema ou rede de pagamento online baseado em um protocolo peer to peer (P2P ou ponto a ponto). Diferente das moedas tradicionais, o bitcoin não depende da confiança de um emissor centralizado (um banco central) ou uma instituição financeira. A rede Bitcoin faz uso de um um banco de dados distribuído, espalhados pelos diversos nós da rede P2P para registrar as transações. Ele usa criptografia de código aberto para prover funções básicas de segurança, como por exemplo garantir que somente o próprio dono possa ter acesso para gastar suas moedas, evitando gastos duplos, falsificação e outros tipos de fraude.

Como surgiu o bitcoin?

O conceito de uma moeda descentralizada começou a ser discutida por membros de uma lista de emails sobre criptografia e foi concretizada por um programador que se autodenominava “Satoshi Nakamoto”, que comentou o conceito em um artigo publicado em 2008 e no ano seguinte implementou o código do sistema. Há diversos rumores sobre a real identidade de Satoshi Nakamoto, porém nenhum confirmado. Não se tem conhecimento de quem realmente é essa pessoa (ou grupo de pessoas), pois desde o início o autor tratou de garantir máximo sigilo sobre sua identidade, utilizando em suas comunicações serviços de difícil rastreamento. O que se sabe é que ele surgiu de forma repentina em discussões online ao divulgar a pesquisa que deu origem ao protocolo Bitcoin, e a partir de então escreveu diversas mensagens solicitando que voluntários ajudassem a desenvolver o que seria uma moeda “imune a banqueiros e políticos”.

Em um artigo publicado pela P2P Foundation em 2009, Nakamoto explica a motivação por trás do projeto: “A raiz do problema com a moeda tradicional é que ela precisa de muita confiança em outros para funcionar. Precisamos de confiança em um banco central para que ele não desvalorize a moeda, mas a história das ‘moedas fiat’ (respaldadas por governos e não pela paridade com o ouro) mostra inúmeras violações de confiança. Os bancos devem ser confiáveis para manter o nosso dinheiro e transferi-lo eletronicamente, mas o emprestam em bolhas de crédito com apenas uma fração de reserva. Temos que confiar neles com a nossa privacidade, confiar neles para não deixar os ladrões de identidade drenarem as nossas contas. Com moedas com base na criptografia, sem a necessidade de confiar em um intermediário ou em terceiros, o dinheiro se torna seguro e as transações sem esforço”. A mensagem é simples e direta: em vez de confiar em governos, bancos centrais ou instituições de terceiros para manter o valor da moeda e garantir as transações, a confiança do bitcoin seria na matemática. No dia 3 de janeiro de 2009, Nakamoto colocou o código em funcionamento e minerou ele mesmo o primeiro bloco de 50 moedas, conhecido na comunidade como o genesis block.

Quais as vantagens do bitcoin?

Dentre as principais vantagens em adotar o bitcoin, podemos citar:

  • Liberdade de pagamento:  é possível enviar e receber qualquer quantia de bitcoins instantaneamente em qualquer lugar do mundo, a qualquer momento. Não há feriados. Não há greves. Não há fronteiras. Não há limites. Bitcoin permite que seus usuários estejam em pleno controle de seu dinheiro.
  • Taxas muito baixas (ou inexistentes): pagamentos com bitcoin são atualmente processados tanto sem taxas ou com taxas extremamente baixas. Caso a transferência seja feita de forma direta (entre pagador e recebedor, sem a intermediação de uma corretora), a transação é concluída sem o pagamento de taxas. Caso o usuário se utilize de um serviço de compra e venda de moeda (exchange), há a cobrança de taxas, que em geral não costumam ser altas. Além disso, existem processadores comerciais para auxiliar comerciantes em operações de processamento, convertendo bitcoins em uma moeda fiduciária (real, dólar, euro, etc) e depositando fundos diretamente para contas bancárias dos comerciantes diariamente. Como estes serviços são baseados em bitcoin, eles podem ser oferecidos com taxas muito mais baixas do que com PayPal ou redes de cartão de crédito.
  • Privacidade: as transações de bitcoin são seguras, irreversíveis e não contêm informações confidenciais ou pessoais dos usuários.
  • Menos riscos para os comerciantes:  a forma como ocorrem as transações protege os comerciantes de perdas causadas por fraude ou estornos fraudulento. Isso permite aos comerciantes expandir seus negócios para novos mercados, onde os cartões de crédito não estão disponíveis ou taxas de mecanismos anti-fraude são muito elevadas. Os resultados são taxas mais baixas, mercados maiores e menos custos administrativos.
  • Segurança e controle: usuários do bitcoin têm controle total de suas transações; é impossível que os comerciantes forcem cobranças indesejadas ou não notificadas como poderia ocorrer com outras formas de pagamento. Os pagamentos com bitcoin podem ser realizados sem vincular informações pessoais à transação. Isto oferece forte proteção contra furto de identidade. Os usuários também podem proteger seu dinheiro com cópias de segurança e criptografia.
  • Transparente e neutro: toda informação em relação às transações feitas em bitcoin está facilmente disponível na chamada blockchain para qualquer um verificar e usar em tempo real. Nenhum indivíduo ou organização pode controlar ou manipular o protocolo Bitcoin, porque este é tem sua segurança garantida por criptografia.

Qual as desvantagens do bitcoin?

  • Baixa aceitação: muitas pessoas ainda não têm conhecimento do que é bitcoin. Porém, essa tecnologia vem se tornando cada vez mais conhecida, de modo que, a cada dia, mais empresas aceitam bitcoins como forma de pagamento por seus produtos e serviços. No entanto, a lista de empresas que já o adotaram ainda é pequena comparada com o todo e ainda precisa crescer, a fim de beneficiar-se dos efeitos de rede.
  • Volatilidade: o valor total do número de bitcoins atualmente em circulação e o número de transações que utilizam bitcoin ainda é muito pequeno comparado ao que poderia ser. Portanto, determinados tipos de eventos ou atividades negociais podem afetar significativamente o seu preço. Em teoria, esta volatilidade deverá diminuir à medida que o mercado e a tecnologia amadurecerem. Nunca antes o mundo havia presenciado a criação de uma moeda com estas características, então é realmente difícil (mas também excitante) imaginar como isto irá funcionar.
  • Desenvolvimento em curso: o software Bitcoin ainda está em versão beta, com muitas funcionalidades incompletas porém em desenvolvimento ativo. Novas ferramentas, recursos e serviços estão sendo desenvolvidos para fazer o bitcoin mais seguro e acessível para as massas. Em termos gerais, podemos dizer que o Bitcoin ainda está em processo de amadurecimento.

Como eu posso adquirir e negociar bitcoins?

Existem diversas formas de se adquirir e negociar bitcoins:

  • Como pagamento de bens ou serviços: você vendeu (ou comprou) algum produto ou serviço e, em vez de receber (ou pagar) em moeda fiduciária, o faz em bitcoins.
  • Comprando / vendendo bitcoins através de corretoras: existem serviços de compra e venda de bitcoins que funcionam de forma semelhante a corretoras de compra e venda de ações. Para poder negociar dessa forma, é preciso que você faça um cadastro em alguma dessas corretoras. Estando dentro de uma destas plataformas, você verá em tempo real a cotação do bitcoin em relação às moedas fiduciárias e poderá disparar ordens de compra e venda, assim como ocorre no mercado de ações. Para isso, será necessário você realizar um depósito em moeda fiduciária à corretora, que armazenará seu dinheiro e o deixará disponível para suas transações. Além disso, você pode resgatar o valor em moeda fiduciária a qualquer momento. Por se tratar de uma prestação de serviço, as corretoras cobram uma pequena taxa de corretagem a cada transação realizada.
  • Trocando bitcoins com alguém diretamente: aqui estamos falando de compra e venda direta. Você paga (ou recebe) dinheiro para alguém e em troca essa pessoa lhe transfere diretamente (ou recebe) os bitcoins. Não há intermediação de uma corretora.
  • Minerando bitcoins: novos bitcoins são gerados através de um processo competitivo e descentralizado chamado “mineração”. Esse é o processo de “fabricação” de novos bitcoins. Tal processo demanda alta capacidade computacional, pois os computadores estarão a todo momento processando inúmeras operações a fim de resolver problemas matemáticos complexos para se obter um novo bitcoin. Dessa forma, ao minerar um bitcoin (ou uma sub-unidade do mesmo), o miderador estará recebendo uma recompensa pelos seus serviços. Por tratar-se de um processo que requer hardware altamente especializado, além de que os custos principalmente com energia são altos, a mineraçao de bitcoin é negócio extremamente competitivo. Dessa forma, não é recomendável que novos usuários da rede tentem obter bitcoins através desse processo.

 

Como eu faço para comprar produtos e serviços pagando em bitcoins?

Segundo uma pesquisa recente realizada pela empresa BitPay, o número de comerciantes que aceitam ‎bitcoin‬‬s como forma de pagamento já superou a casa das centenas de milhares de estabelecimentos no mundo. O estudo ainda mostra que o número total de transações feitas com bitcoin mais do que duplicou no último ano e essa taxa de crescimento tende a ser ainda maior nos próximos anos. Atualmente, mais e mais consumidores estão aderindo ao bitcoin. Mediante às grandes oportunidades que giram em torno do bitcoin, os comerciantes estão mudando de atitude em relação a moeda virtual e com isso cada vez mais lojas passam a aceitar bitcoins.

No Brasil, estimava-se no final de 2015 que mais de 15 mil comerciantes e prestadores de serviço já trabalham com a moeda. Além disso, algumas das maiores empresas ao redor do mundo já trabalham com a criptomoeda, a citar: Microsoft, Dell, PayPal, Expedia, Overstock, etc. A seguir, apresentamos alguns sites em que você pode conferir o quais lojas aceitam bitcoins no Brasil e no mundo:

Quais são os riscos do bitcoin?

Fora a volatilidade da moeda, conforme já foi mencionado anteriormente como desvantagem do seu uso, existem alguns riscos que não podem ser ignorados:

  • Compra e venda através de corretoras: um serviço de câmbio online implica certo risco, posto que tais serviços estão sujeitos a ir à falência, ou serem hackeados, levando consigo os bitcoins de clientes que estiverem sob sua custódia, e existem registros da ocorrência de ambas as situações.
  • Perda da chave privada: para realizar operações com bitcoins, é necessário que se tenha posse de uma chave pública e uma chave privada. Caso você perca essas chaves, você simplesmente não terá mais acesso aos seus bitcoins, que provavelmente ficarão perdidos (e que também não serão utilizados por ninguém mais) para o resto da vida. Por isso, recomenda-se uma série de medidas para garantir que você mantenha em segurança a sua chave privada.

Posso ganhar dinheiro com Bitcoin?

Muitas pessoas utilizam o bitcoin não necessariamente como um meio de pagamento e transferência de recursos, mas também como investimento (tanto a curto como longo prazo). Isso porque, conforme foi mencionado anteriormente, o valor do bitcoin em relação às moedas tradicionais varia. Especialmente nos últimos meses, tem se observado uma variação muito alta devido a alguns acontecimentos globais que tem influenciado o mercado e puxado o valor da moeda, ora para cima, ora para baixo.

Portanto, recomenda-se que, caso você use bitcoins com o objetivo de investimento, que o faça com bastante cautela, de preferência com cuidadosas análises antes de realizar suas operações.

Bitcoin é legal?

O bitcoin não é considerado ilegal pela legislação na maioria das jurisdições ao redor do mundo. Entretanto, algumas jurisdições (como a da Argentina e da Rússia) restringiram severamente ou baniram moedas estrangerias. Outras jurisdições (como a da Tailândia) limitaram o licenciamento de certas entidades. Reguladores de várias jurisdições estão tomando medidas para proporcionar aos indivíduos e empresas com regras sobre como integrar essa nova tecnologia com o formal e regulamentado sistema financeiro. Por exemplo, o Financial Crimes Enforcement Network (FinCEN), um setor dentro do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, emitiu orientações não vinculativas sobre a forma como ele caracteriza certas atividades que envolvam moedas virtuais.

O que determina o preço do bitcoin?

Assim como qualquer ativo, o preço do bitcoin é determinado pela lei da oferta e da demada. Quando a demanda aumenta, o preço aumenta junto. Quando a demanda cai, o preço acompanha.

Diferentemente das moedas fiduciárias, o número de bitcoins existentes é limitado. Não há banco central que emite moeda indefinidamente como acontece com o dólar, o real, o euro e qualquer outra moeda controlada por bancos centrais. Há somente um número limitado de bitcoins em circulação e novos bitcoins são criados em uma taxa previsível e decrescente, até que se atinja um número arbitrário máximo (que é próximo de 21 milhões de bitcoins). Isso significa que a demanda deva seguir este nível de inflação para manter seu preço estável. Como o Bitcoin ainda é um mercado relativamente pequeno comparado ao que ele pode chegar a ser, não é necessária uma quantia muito significante de dinheiro para aumentar ou diminuir o preço do mercado, portanto o preço de um bitcoin ainda é bastante volátil.

Fontes:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Bitcoin

http://bitpedia.com.br/mediawiki/index.php

https://bitcoin.org/pt_BR/faq

http://gizmodo.uol.com.br/tudo-sobre-o-bitcoin/